capa

Game brasileiro Pixel Ripped ganhará continuação

O estúdio brasileiro de entretenimento imersivo ARVORE acaba de anunciar que está trabalhando no jogo Pixel Ripped 1995, sequência do premiado Pixel Ripped 1989.

Desta vez o time da ARVORE levará os jogadores em uma viagem nostálgica inesquecível para o ano de 1995. Essa foi uma época histórica para o mundo dos games, onde a primeira geração de gamers estava se tornando adulta e os games começaram a evoluir dos ambientes 2D da era 16 bits para os espaços 3D da era 32 bits. Desde o começo do projeto, sempre houve uma conexão bem próxima entre o time de desenvolvimento do Pixel Ripped e a comunidade de fãs do jogo. Foram esses jogadores que decidiram o futuro da série. Quem chegou no final do primeiro jogo encontrou uma máquina do tempo onde eles podiam indicar sua era dos games favorita. E o time da ARVORE usou isso para decidir a época do segundo jogo: Pixel Ripped 1995.

O malígno Cyblin Lord está de volta para roubar a Pixel Stone, mas a heroína Dot não vai deixar isso acontecer. É por isso que a criadora da série Pixel Ripped, a diretora criativa da ARVORE Ana Ribeiro está de volta liderando a equipe de desenvolvimento do game Pixel Ripped 1995. Ana e o time estão dedicados para criar mais um projeto feito exclusivamente para realidade virtual. Jogadores das principais plataformas de VR vão poder viver uma experiência mágica que irá transportá-los para um mundo de jogos lendários, jogabilidade clássica, referências a games da época, muitos segredos e, é claro, todo desafio dos jogos dos anos 90.

Graças ao sucesso do primeiro jogo nós podemos dedicar mais recursos e temos muito mais experiência pra criar um jogo que é uma aventura nostálgica ainda mais inovadora e maluca. O ano de 1995 também nos possibilita fazer referência a grandes clássicos dos games e todo um novo mundo pra explorar,” diz Ricardo Justus, co-fundador da ARVORE.

Em paralelo, o jogo original Pixel Ripped 1989 continua ganhando prêmios. Recentemente o game ganhou o prêmio “New Face Award” na 22ª edição do Japan Media Arts Festival. A Ana e outros do time ARVORE estarão presentes no festival em Tóquio para receber o prêmio, que acontece no National Museum of Emerging Science and Innovation (Miraikan). Além disso, o jogo foi selecionado na conferência SIGGRAPH 2019 que acontece entre 28 de Julho e 1º de Agosto em Los Angeles, onde Ana fará uma palestra sobre o desenvolvimento do jogo. No BIG Festival 2019, em São Paulo, o Pixel Ripped 1989 recebeu quatro indicações de prêmios, incluindo Melhor Jogo, Mais Inovador, Melhor Jogo Brasileiro, e Melhor Jogo de Realidade Virtual.

Em 2014 quando o Pixel Ripped era apenas um projeto universitário, eu nunca imaginei que poderia chegar tão longe. Me sinto muito grata por poder continuar trabalhando dentro do universo do Pixel Ripped graças a ARVORE e a todo o suporte dos fãs do jogo. Mal posso esperar para poder compartilhar com a comunidade as coisas ainda mais incríveis que estamos preparando para Pixel Ripped 1995,” diz Ana Ribeiro, Diretora Criativa da ARVORE.

Pixel Ripped 1989

Pixel Ripped 1989 é uma louca homenagem ao passado dos games. O jogador fará uma jornada para dentro da tela dos videogames e além. Situado na era dos consoles 8 bits, esse jogo dentro de um jogo segue as aventuras de Dot, uma personagem de videogame que tem o seu mundo ameaçado pelo Cyblin Lord, um vilão capaz de atravessar a barreira entre o mundo dos games e a vida real.

Em Pixel Ripped, o jogador vive Nicola, uma aluna de segunda série que precisa ajudar a Dot a salvar as duas realidades desta ameaça encarando desafios no mundo 2D de jogos retrô. Ao mesmo tempo distraindo uma professora irritada e fugindo do temido diretor do colégio no mundo 3D.

Pixel-Ripped-1989

A Criadora

Ana Ribeiro, uma desenvolvedora brasileira nascida no Maranhão, começou a trabalhar no jogo em 2014 quando ela estudava em Londres. O desenvolvimento do jogo tem sido uma longa jornada para ela da qual ela nunca desistiu. Em 2017, Ribeiro se juntou ao time da ARVORE como diretora do projeto para co-desenvolver o jogo, e com essa parceria finalmente conseguiu finalizar o projeto. Você pode ver nossa entrevista com a Ana neste post.

Deixe uma resposta