Arte de divulgação de Pokémon Black and White

REVIEW – Pokémon Black e White

Este review foi escrito como um exercício para o Workshop Online de Review de Games organizado em junho. O texto de hoje foi feito pela Giselle Alves, que revisitou Pokémon Black and White! Além disso, ela escreve para o site NSV Mundo Geek. Não esqueçam de dar uma passada lá também para ver mais conteúdo sobre games, animes, HQs e muito mais!

 

Pokémon Black and White foi lançado há quase 10 anos, nos levando a quinta região deste universo, e é um jogo muito controverso entre os fãs. Mas não se deixe abalar pelas críticas, este jogo nos trouxe mais de 150 novos Pokémon nunca vistos antes e muitos novos recursos, uma história intrigante e imersiva. Além de tudo, Pokémon Black e Pokémon White receberam um 40/40 da renomada revista japonesa Famitsu Magazine – tornando-se o 15º jogo na história dos videogames a receber a pontuação perfeita.

Este jogo está disponível para Nintendo DS, e como de costume na franquia, uma nova geração trás consigo uma nova região, e a quinta geração se passa na região Unova. De acordo com o produtor Junichi Masuda, Unova se baseia na parte metropolitana de Nova Iorque, é possível notar a inspiração nas maiores cidades do jogo, com seus prédios altos, aglomerados, e um ar mais urbano. O nome japonês da Unova, Isshu , deriva da palavra japonesa para “uma variedade”, isshu, pois segundo Masuda, embora a região seja diversificada em espécies e raças, elas são iguais às criaturas vivas são iguais, e merecem respeito, desta forma, até o nome da região se alinha com os narrativa do jogo.

Unova trouxe uma história muito mais madura do que as vistas anteriormente na franquia, em Kanto temos Giovanni e a equipe Rocket como bandidos, em Hoenn as equipes Aqua e Magma tentam expandir as áreas marinhas ou a terra, aqui temos um debate moral e ético sobre Pokémon, já que eles são criaturas vivas, pensantes e com emoções, é realmente correto usálos em batalha? O uso de pokémon para serviços domésticos ou funções sociais é correto? Capturar e manter Pokémon em suas pokébolas poderia ser considerado cárcere privado? Estes são alguns dos pontos da Team Plasma, a equipe rival deste jogo, sua meta é libertar todos os pokémon de seus treinadores, pois para eles, estas criaturas só poderão ter liberdade e alcançar seu verdadeiro potencial longe das mãos humanas, muitos destes debates chegarão a você através de N,um antagonista que faz parte da Team Plasma, ele é capaz de se comunicar com Pokémon e em breve se tornará Rei da Team Plasma.

O mapa da região de Unova, de Pokémon Black and White
A região de Unova traz uma variedade bem maior de ambientes e locais

Este jogo inaugura dois novos modos de batalha na rota principal do jogo, as batalhas triplas e as batalhas rotativas. As batalhas triplas são 3 x 3, com 6 pokémon no campo de batalha simultaneamente, mas nada muito inovador ou distinto das batalhas duplas de Pokémon Ruby/Sapphire; Já as batalhas rotativas acrescenta um nível a mais de dificuldade aos confrontos, cada treinador manda 3 monstrinhos para o campo, um pokémon fica a frente no campo e este será o pokémon da vez de seu time a atacar, a cada turno o campo gira, independente da vontade do jogador, que não poderá escolher o sentido do movimento desta plataforma, e coloca outro pokémon para atacar ou receber dano, o mesmo acontecerá com a equipe de seu oponente, assim, é possível elaborar estratégias e combinar golpes para gerar um dano massivo no oponente, ou tentar se proteger e esquivar de ataques que podem custar sua vitória.

Imagem demonstrando como funcionam as batalhas rotativas de Pokémon Black and White, com 3 pokémons de cada lado.
As batalhas rotativas ajudaram a trazer mais variedade e estratégia para o gameplay.

Por falar nos monstrinhos do jogo, é neles que está o debate mais controverso sobre a quinta geração, Pokémon Black/White não apresenta nenhum pokémon de gerações anteriores em sua gameplay, pokémons antigos só aparecem após o final da história principal. Isso não deveria ser um problema já que a região trás uma nova pokedex completa com grande variedade de todos os tipo de pokémon que existiam até a quinta geração, mas para alguns treinadores isso pode ser um problema, já que um companheiro querido de gerações antigas não estará disponível para captura no início do jogo. É possível migrar pokémon de jogos anteriores através do aplicativo Pokémon Transfer, gratuito para DS, mas creio que a melhor  parte de uma nova região é explorar as novas espécies que ali habitam.

Os designs destas novas espécies também são duramente criticados, geralmente taxados como preguiçosos e não originais, sim, o jogo realmente possui uma espécie baseada em lixo, uma baseada em engrenagens e outra que é um sorvete, se as execuções destas ideias foram boas ou não, depende de cada treinador, e eles não são os únicos monstrinhos no jogo, como as 3 formas finais dos iniciais, Serperior, Emboar e Samurott, que são baseados em armas de períodos históricos, Chandelure tendo um design incrível para um tipo fogo/fantasma, Foogus com seu design simples mas funcional, constantemente enganando treinadores nas rotas, como Voltorbs faziam na primeira geração, Zeckrom e Reshiram são lendários que possuem aparência imponente e inovadora.

A melhora gráfica é visível em relação às gerações anteriores, embora os personagens ainda apareçam como chibis pixelados, as cores estão mais vivas e as áreas mais elaboradas, os pokémon tem sprites animados para batalhas, e pela primeira vez na franquia, se mexem durante toda a luta. O jogo também possui áreas 3D, nada próximo do que foi apresentado para os jogos da franquia para 3DS ou Nintendo Switch, mas em 2010, quando o jogo foi lançado, estas áreas eram de tirar o fôlego para qualquer jogador, outra mudança agradável é a de passagem das estações, cada mês é uma estação do ano e a paisagem se adequa a cada estação, as árvores ganham coloração laranja no outono, no inverno a neve domina a paisagem, na primavera as flores desabrocham e no verão os dias são mais ensolarados. Essa mudança de clima é um convite para revisitar o jogo em períodos diferentes do ano e afeta diretamente o pokémon Deerling e sua evolução, quando capturado em determinada estação, esse bichinho acaba adquirindo uma cor diferente e evolui para uma forma diferente.A trilha sonora também tem maior qualidade, os temas de batalha são bons e as músicas temas das cidades casam perfeitamente com o clima local, mas apesar de ser uma trilha boa, não é das mais marcantes.

Quatro imagens do pokémon Sawsbuck representando as quatro estações do ano.
As quatro variações de Sawsbuck que dependem da estação em que você o capturou.

O post game do jogo não possui uma narrativa tão elaborada, mas além de desbloquear os pokémon de outras regiões, o jogo libera dezenas de novas áreas e itens para explorar. Uma surpresa nem tão agradável do post game é o level dos pokémons selvagens, que se tornam absurdamente altos, o time do campeão está entre o level 50-53, e ao entrar no post game, pokémon selvagens começam a aparecer acima do level 60, então suas batalhas estarão consideravelmente mais difíceis, especialmente para aqueles que estiverem abaixo do nível do campeão da elite 4.

Pokemon Black/White é um dos jogos mais controversos da franquia principal, mas é um dos jogos que mais apostou em inovação, 10 anos após seu lançamento, a gameplay ainda é uma experiência divertida e cativante, unindo as mecânicas já conhecidas desde Red e Blue, Às novidades que revigoram a franquia e o distingue de seus antecessores.

Deixe uma resposta